#viagem

Os Sete Mandamentos Para Documentar Suas Viagens

Não Deixe Suas Memórias de Viagem Evaporarem ao Voltar Para Casa

Os Sete Mandamentos Para Documentar Suas Viagens

Um dos maiores erros durante um viagem é pensar que você “nunca esquecerá” um momento ou um sentimento especial. De saltar de paraquedas a nadar em cachoeiras sob a luz do luar, passando por noites caóticas na rua Khao San, até o último passo na escalada do Kilimanjaro, há ¾ e um milhão de tantas outras memórias no meio de tudo isso. Grandes e pequenas, épicas ou sensíveis.

A pergunta é: como fazemos para documentar e preservar essas experiências de viagem, não apenas para compartilhá-las com outras pessoas, mas também para nós mesmos? Existem alguns passos básicos para documentar e preservar detalhes importantes, memórias e experiências em qualquer viagem, de modo que suas viagens fiquem na memória por muito tempo após o retorno.

1. SEJA UM JORNALISTA: Tenha um bloquinho de notas à mão

Crédito da foto: João e Raquel

Um bloquinho de notas é um item indispensável na mala de um viajante. Mantenha-o por perto em todos os momentos para anotar aonde você foi, quando, com quem e o que você fez.

Tome notas todos os dias para que você não tenha que parar para se perguntar qual o nome daquele prato ou quem é essa pessoa na sua foto ou o nome daquele lago.

Dica: Opte por bloquinhos finos e leves e compre novos bloquinhos para cada viagem, não só para manter tudo organizado, mas também para preservar suas anotações antigas em um local seguro e economizar espaço.

2. Tenha um scrapbook à mão

Crédito da foto: Danny Hope

Mas não scrapbooks no estilo vovó. Quero dizer, algum objeto – qualquer coisa – em que você possa guardar as informações que junta ao longo do caminho. Pode ser uma pasta ou até mesmo um saco plástico. Mas cada vez que você guardar alguma informação, armazene tudo no mesmo lugar. Guarde folhetos, cartões de visita, recibos e o que mais desejar de hostels, restaurantes, atrações turísticas e empresas que você visitou.

Dessa forma, você começa a catalogar por onde passou e pode facilmente acessar sites, e-mails e sites de mídia social desses lugares. Além disso, grafias ou nomes corretos estarão sempre em mãos.

Dica: Faça anotações nos cartões – especialmente nos cartões de pessoas que você conhecer – sobre como e onde você as conheceu e se ou por que você gostaria de entrar em contato com elas. Se puder, tire uma foto com a pessoa ou da pessoa e anote no cartão o número do arquivo na sua câmera.

3. SEJA UM FOTÓGRAFO: Capture a essência do lugar

Crédito da foto: Kate Siobhan

Para documentar um lugar de verdade é necessário muito mais do que apenas tirar algumas fotos das ruas. O que dá sentido a um lugar? O mais óbvio é o conjunto de atividades acontecendo ao ar livre, nas ruas – mercados agitados, trabalhadores desempenhando suas funções, mulheres equilibrando baldes de água coloridos sobre suas cabeças. Pergunte a si mesmo de quais cenas você se lembrará com mais carinho mais tarde e tente capturar alguns desses momentos. Aqui estão algumas dicas para se ter em mente:

Olhe para as coisas que realmente tem a cara do lugar em que você está. Uma noção de lugar é construída em várias camadas de cultura: pessoas, movimento, comidas, aromas, cores, trajes, música e muito mais. Se você conseguir isolar alguns aspectos em uma imagem, você pode aos poucos revelar como o lugar realmente é.

Dica: Respeitar os moradores locais é um fator essencial nesse processo. Se as pessoas te encararem ou se você se sentir desconfortável, pare e tente novamente em uma rua diferente ou a partir de um ângulo diferente.

4. Documente as pessoas

Crédito da foto: Kate Siobhan

Essa é provavelmente a coisa mais difícil para a maioria das pessoas. Ficamos muito nervosos ao nos aproximarmos de outras pessoas, mas um belo sorriso, educação e também disposição para mostrar as imagens podem ajudar muito. A regra de ouro é: sempre pergunte primeiro. É simplesmente preparar sua câmera e dizer: “Foto?”, uma frase que serve para quase todos os idiomas. Aqui estão algumas dicas rápidas:

Dica: Na dúvida, tire vários tipos de fotos (em close, de longe, à meia distância), assim você pode decidir mais tarde qual usar.

5. Documente os detalhes

Crédito da foto: Kate Siobhan

Os pequenos detalhes são as primeiras coisas que você vai esquecer mais tarde. Alguns aspectos a serem incluídos:

Dica: Saia para procurar por detalhes, andando sem rumo (sem destino, sem programação). Basta olhar. Observe esses detalhes e volte mais tarde para capturá-los.

6. SEJA UM CONTADOR DE HISTÓRIAS: Diário

Crédito da foto: Aya Padron

Não é o mesmo que um bloquinho de notas. O diário é onde você coloca suas experiências pessoais ao longo do caminho. Tire um tempo para refletir e processar tudo. Escreva suas dúvidas, pensamentos, esperanças, aprendizados, vitórias, alegrias, vontades e muito mais.

Dica: Faça isso sozinho e separe algum tempo para si mesmo. Você vai agradecer mais tarde.

7. Compartilhe

Crédito da foto: Lucas Jans

Qualquer que seja seu objetivo, quer seja escrever um artigo ou publicações para um blog, postar no Facebook ou montar uma boa e velha apresentação de slides na sala da sua casa, você tem uma história para contar. Você foi, viu, experimentou. Ao documentar a viagem de tantos ângulos, você vai ter um monte de material para ajudá-lo na hora de pintar um quadro completo e descritivo da sua viagem.

Na próxima vez em que você viajar, não se esqueça de documentar tudo corretamente, como um profissional, e será capaz de se autotransportar – ou levar qualquer outra pessoa de que goste – de volta à sua viagem.




Pinterest Tumblr

Kate Siobhan

Kate Siobhan é uma escritora e fotógrafa baseada em Vancouver, assim como editora colaboradora da Matador e docente chefe de fotografia na MatadorU.
Leia Mais

Você tem alguma dica de viagem que não entrou nessa lista?



Compartilhe Suas Histórias Instagram

Use a hashtag #HistoriasSanDisk para uma chance de ser destaque neste site.

Inscreva-se para ofertas especiais!

Receba ofertas promocionais especiais e dicas de fotografia da SanDisk.